UM BRINDE!

Dicas de harmonização de vinhos com chef Wagner Velasco

Quem nunca ficou em dúvida de qual vinho escolher para acompanhar aquele prato especial? Ou vice-e-versa?

Quem nunca ficou em dúvida de qual vinho escolher para acompanhar aquele prato especial? Ou vice-e-versa?

Algumas pessoas dizem que vinhos tintos encorpados harmonizam com carnes vermelhas, por exemplo. E que vinhos mais claros como branco, combinam com peixes e aves.

Na verdade, sugestões como essas não devem ser encaradas como regras, mas apenas como uma direção, uma ideia que pode ser seguida mas sem obrigação, pois somos livres para criar novas combinações e a melhor harmonização sempre será a que mais agradar o seu paladar!

Algumas dicas:

  • Carnes brancas: se forem preparadas com molho, o vinho deve harmonizar com ele
  • Carnes mais ricas, como pato ou linguiça, combinam bem com vinhos mais fortes
  • Molhos ácidos ou cítricos, harmonizam melhor com vinhos também ácidos, podendo ser tintos ou brancos

Brasileiros costumam beber mais vinho tinto do que branco, apesar do branco ser mais ideal para o clima do Brasil. Mas isso não é ruim, pois o consumo de carne vermelha também é grande então a melhor combinação é o vinho tinto.

Chef Wagner Velasco do restaurante Oak Wine deu algumas dicas e sugestões de pratos que harmonizam com cada tipo de vinho.

Para harmonizar com peixe, o chef escolheu o vinho branco Cordilheira Chardonnay – Chile. Fresco, com toque frutado, boa presença gustativa e notas amadeiradas, esse branco possui aroma de frutas maduras como abacaxi, nuances de coco, baunilha e tosta. A complexidade aromática e a intensidade do paladar podem ser justificadas pelo longo amadurecimento em barricas de carvalho, praticado, em sua maioria, apenas em brancos nobres. Com um nome que faz referência à Cordilheira dos Andes e à Cordilheira da Costa, esse Reserva Privada traz a expressão do Valle del Limarí, um dos terroirs premium do Chile, que tem a Chardonnay como uma das uvas de maior expressão no local.

O chef recomenda um prato do seu menu no restaurante, o Robalo com arroz negro e espuma cítrica de limão.

Para carne a sugestão é o tinto Villa Campobello Chianti – Itália. Uva sangiovese, este Chianti possui cor vermelho-rubi brilhante, e aromas de morango e violeta. No paladar é frutado, harmonioso e com final prazeroso. O prato recomendado é Jarret de cordeiro com polenta mole e jús de estragão.

Como sugestão de massa com molho mais pesado, o chef recomenda o seu prato Tornedor rossini com fettuccine ao molho Alfredo. Para essa harmonização Wagner escolheu o tinto Arboleda Cabernet Sauvignon – Chile . Rico em notas de frutas como amora e cereja, além de nuances florais e um toque de baunilha e tostado. Na boca é harmonioso, com sabores de frutas secas e especiarias combinados a notas de menta e tabaco. Aveludado com final persistente

Queijos

Como a harmonização de vinhos com queijos é muito complicada, por conta da gordura, o chef deu uma ajudinha para quem adora uma noite de queijos e vinhos:

Queijo Gouda
Vinho : Cordillera Andina
Uva: merlot
País : Chile

Queijo Brie
Vinho: Tríade Roble
Uva: Chardonnay
País : Argentina

Queijo Parmesão /Gruyêre
Vinho: Norton
Uva: Sauvignon Blanc
País: Argentina

Queijo Parmesão calcar negro Uruguaio
Vinho: Juan Gil
Uva: Chianti
País : Espanha

Carregando