Turistando

Três indicações de restaurantes no Rio de Janeiro

Opções para você deixar o passeio com muito mais sabor. Marina Glória, Leblon e Barra da Tijuca é a localização dos nossos três destinos; saiba o que eles têm em comum

Se a viagem for rápida, tipo ir na sexta-feira e voltar na segunda, não deixe de passar por esses três lugares que vamos indicar. Temos a certeza que vai aproveitar e se deliciar com pratos fantásticos, alguns ousados e diferentes, outros, parecem até comuns, mas o sabor…É DOS DEUSES!

Fomos conhecer o Corrientes 348, localizado na Marina da Glória, esse vale o passeio durante o dia, pois se a temperatura tiver perto dos 37°, digamos assim, você se distrai com a bela vista do mar que fica logo em frente. O Sushi Leblon, já vale aquela visita para o jantar e o Naga é ótimo para começar o happy hour e se estender até um pouco mais com os amigos.

Corrientes 348 

O Corrientes 348 é um dos melhores restaurantes argentinos, ele abriu suas portas na Marina da Glória há dois anos e é especializado em gastronomia portenha. Era uma sexta-feira quando fomos fazer a visita e o relógio já marcava 13h45min, o lindo dia de sol convidada a um passeio a céu aberto.

Sem filas e com muita tranquilidade para conseguir uma mesa, talvez por conta do horário que já passava do normal para almoço, conseguimos rapidamente um espaço, tinha a opção de ficar na parte interna, com ar-condicionado, mas preferimos estar perto da Marina, nessa parte externa, por exemplo, se tinha os refrigeradores para tentar amenizar o calor que ali marcava quase 37°.

De início, o prato para abrir os trabalhos da tarde, um Chorizo Parrillero, um dos mais pedidos como petisco, enquanto se produzia o almoço, que fizemos questão de experimentar, a parrilha, que é uma carne mais macia, acompanhada da farofa com huevos e arroz provenzal. O pedido seria na prática para apenas uma pessoa, mas duas e quem sabe até três, conseguem aproveitar perfeitamente bem e estar satisfeito. De sobremesa, um doce de leite argentino, diga-se de passagem, um dos melhores.

Para bebida, pode não acreditar, mas passamos por três. Primeiro o Clericot para brinde, uma cachaça mineira que estava disponível na casa e uma dose de 43 com café, sim, pode acreditar, 43 com café é dos deuses, vale a prova.

Sushi Leblon

Esse foi o único restaurante que fizemos questão de ligar ainda em São Luís (MA), para fazer a reserva, pois em outras três tentativas em viagens anteriores ao Rio de Janeiro, não foi possível. O espaço é pequeno e aconchegante, talvez o único defeito seria a quantidade de espelho na entrada do banheiro, pois após duas taças de vinho, você não sabe se vai chegar na porta ou bater no espelho, sim, é um pouco confuso. Mas vamos aos sabores.

Talvez a nossa insistência em conhecer o Sushi Leblon tenha sentido. Com 31 anos de praia, o japonês mais badalado do Rio já recebeu inúmeras personalidades em seu balcão, como Madonna, Marc Jacobs e Catherine Deneuve. Então daí você pode imaginar o quanto é festejado.

O projeto saiu do papel após uma viagem do desportista Pepê ao Japão, em 1986. Criações curiosas chamam a atenção no cardápio, como o sushi de ovo de codorna trufado e com flor de sal (R$ 26, 2 unidades) e o sushi com foie gras brûlèe marinado em saquê doce e brunoise de manga (R$ 40, 2 unidades).

São mais de 20 variedades de peixes, crustáceos e ovas no preparo de sushis e sashimis, dos mais convencionais até enguia (R$ 32, 2 sushis) e ouriço (R$ 42, 2 unidades).

Para quem prefere pratos quentes, o mix de frutos do mar grelhado leva camarão, vieira, lula e peixe com massa udon ao leve curry e coco (R$ 98, individual).

Outra alternativa é o mignon marinado no shoyu e depois grelhado com mix de raízes, tomate confitado, vagem francesa e ovas de capelim (R$ 91, individual). Entre as sobremesas, tempurá de brigadeiro com shot de saquê e frutas (R$ 25).

Mas pedimos de início para conhecer o Camarão pops, que é bem crocante com molho thai. Em seguida o Atum semi-grelhado com foie gras, molho wasabi e missô brunoise de maçã verde. Também testamos o Hot Quinoa Roll. Todos os pratos tivemos acompanhamento de um vinho branco.

Agora um pedido que era novidade na casa não poderia passar despercebido. O Sushi de vieira grelhada com lichia. De início, não conseguimos identificar o sabor, mas após mastigar e misturar com a lichia, o sabor vai se transformando. O ideal é ir saboreando aos poucos.

Naga 

A experiência no Sushi Leblon foi ótima, inclusive com direito a duas visitas, mas o Naga ganhou o nosso carinho maior. Vale destacar o atendimento especial dos demais, mas o Naga é aquele lugar que lhe deixa literalmente em casa.

De início, sem mesmo ir para área externa do restaurante, preferimos aproveitar o seu hall, até porque como falamos no início, ele é ótimo para começar o happy hour com os amigos e foi quase isso que montamos, iniciando 17h e entre uma conversa e outra, se provava um edamame, que a grosso modo, é como se fosse feijão, brincadeiras à parte, porque ele é delicioso, o sal deixa o sabor ainda mais especial e foi acompanhado de uma cerveja bem gelada. Nem combina, se você é da moda fit, já que o edame faz parte das receitas low carb.

Mas enfim, marcava 20h, quando decidimos de vez conhecer os pratos do Naga, que é localizado no Villa Mall, na Barra da Tijuca.

Resolvemos apostar na Ostra, a ideia deu certo, que tivemos que pedir outras duas vezes. Não tem como comparar. Tivemos como degustação o Linguado com caviar, e faça questão de provar bem devagar, o sabor é surreal, literalmente. Também aproveitamos para conhecer o Ussuzukuri, que em outras palavras são fatias de peixe branco ao molho ponzu, produzido com o peixe da costa trazido diretamente do pescador para o estabelecimento.

Carregando