Enquete

Paulistano é eleito Melhor Pastel da Ilha

Es­ta é a pro­va que fa­zer um pas­tel po­de pa­re­cer sim­ples, mas, o que se  des­ta­ca é o sa­bo­r do re­chei­o

A en­que­te do mês per­gun­tou aos in­ter­nau­tas qual o me­lhor pas­tel de São Luís. En­tre no­ve op­ções, os três pre­fe­ri­dos fo­ram: Pau­lis­ta­no (36%), Fast Fo­od Ja­po­nês – O Rei do Pas­tel (28%) e Ce­leb’s La Ca­sa de Pas­tel (19%).  No to­tal, fo­ram 2.151 vo­tos, e 764 pa­ra o ga­nha­dor.

Nos co­men­tá­ri­os, os lei­to­res afir­ma­ram que o re­cheio e o bom aten­di­men­to são pon­tos for­tes do lo­cal. Além dis­so, a ge­leia de pi­men­ta tam­bém foi ci­ta­da.

Foi is­so que “O Pau­lis­ta­no” fez. Jun­tou a re­cei­ta tra­di­ci­o­nal, com in­gre­di­en­tes pau­lis­tas em um mix nor­des­ti­no e os lu­do­vi­cen­ses ado­ra­ram. Es­ta é a pro­va que fa­zer um pas­tel po­de pa­re­cer sim­ples, mas, o que se  des­ta­ca é o sa­bo­r do re­chei­o.

Os no­mes dos pas­téis tam­bém cha­ma aten­ção, por exem­plo, o pas­tel de do­ce de lei­te com ba­na­na re­ce­be o no­me de “Ei­ta Preu­la“, tra­du­zin­do pa­ra o “ma­ra­nhês” se­ria o mes­mo que um “Éguas, doi­do” ou “Vi­xe Ma­ria”.  Já o pas­tel “BE­XI­GA” é ba­se­a­do em um dos bair­ros mais tra­di­ci­o­nais de São Pau­lo, o re­cheio é com­pos­to de pre­sun­to e acom­pa­nha to­ma­te, oré­ga­no e quei­jo. To­dos os pas­téis sal­ga­dos pos­su­em 30 cm. Já os do­ces, con­tém 25 cm. São ser­vi­dos par­ti­do ao meio, ou se­ja, se vo­cê não con­se­guir co­mer tu­do, dá pa­ra di­vi­dir com ou­tra pes­soa.

Os pro­pri­e­tá­ri­os, Luis Fer­nan­do Ro­que e Fá­bio Luiz Mar­tins, são pau­lis­ta­nos e já mo­ram a 12 anos em São Luís. Ao per­gun­tar­mos pa­ra o Luis de on­de veio a ins­pi­ra­ção pa­ra abrir o Pau­lis­ta­no, ele dis­se:

Nas­ci na fei­ra co­men­do pas­tel, pois sou fi­lho de fei­ran­te

Ou­tros di­fe­ren­ci­ais da ca­sa são as be­bi­das, eles tra­ba­lham com a ven­da do re­fri­ge­ren­te Itu­baí­na Re­trô, be­bi­da de cor ca­ra­me­lo e sa­bor de tut­ti-frut­ti. Ele exis­te des­de 1954 e foi o pri­mei­ro re­fri­ da com­pa­nhi­a, por is­so, o slo­gan “O sa­bor que fi­ca na lem­bran­ça“. A be­bi­da foi ba­ti­za­da com es­te no­me em ho­me­na­gem à sua ter­ra na­tal, Itu, mui­to co­nhe­ci­da por ser a ci­da­de “on­de tu­do é gran­de”. Tam­bém é pos­sí­vel en­con­trar três ti­pos de águas sa­bo­ri­za­das in­dus­tri­a­li­za­das co­mo la­ran­ja, cri­trus com li­mão si­ci­li­a­no.

Além dos pas­téis, do­ces e sal­ga­dos, a lan­cho­ne­te tam­bém in­ves­te em san­du­bas, de mor­ta­de­la, cos­te­li­nha suí­na,  par­ma, per­nil e fran­go.


De on­de vem o pas­tel?

O fa­mo­so “pas­tel de fei­ra” não é uma in­ven­ção bra­si­lei­ra, e, sim, um pre­sen­te dos imi­gran­tes ja­po­ne­ses, que trou­xe­ram pa­ra o Bra­sil, atra­vés do Por­to de San­tos. Lo­go, a re­cei­ta se es­pa­lhou por to­do o es­ta­do, e de­pois, por to­do o país. Quan­do se tra­ta de cu­li­ná­ria, o bra­si­lei­ro sem­pre tem al­go a in­cre­men­tar, e, as­sim, sur­gi­ram os ca­pri­cha­dos re­chei­os co­m car­ne moí­da, quei­jo, lin­gui­ça, ovos etc.

On­de?

Ave­ni­da Li­to­râ­nea,  Vil­la Fo­od.

 

Carregando